🎁 Compre três produtos e ganhe 15% de desconto 🎁

Quando falamos em “insuficiência venosa crónica” referimo-nos a uma grande variedade de distúrbios do sistema de retorno venoso das extremidades inferiores com um denominador comum: hipertensão venosa como consequência de um período de pé mais ou menos prolongado. O mais comum e conhecido desses distúrbios é a doença varicosa, consequência da dilatação das veias, que se manifesta clinicamente de forma muito variável. Um aspecto muito importante é o aparecimento, a longo prazo, de alterações cutâneas como pigmentação, atrofia e úlceras que costumam ser de difícil cicatrização e propensas à recorrência.

Os sintomas são consequência do aumento da pressão arterial no sistema de retorno venoso em decorrência da “falha” das válvulas localizadas nos segmentos afetados pela dilatação da parede da veia, “incompetência valvar”. Quando esse distúrbio está localizado nas veias superficiais, falamos em varizes. O sistema de retorno venoso das extremidades inferiores é dividido em sistema venoso profundo, sistema superficial e veias perfurantes, que conectam os dois sistemas. O sangue circula principalmente através do sistema venoso profundo, localizado profundamente nos compartimentos musculares. As veias superficiais, localizadas sob a pele, fornecem uma quantidade mínima de sangue às veias profundas através das veias perfurantes. A função das válvulas, em qualquer um dos três sistemas mencionados, é permitir a circulação sanguínea no sentido “central” (em direção ao coração) e evitar um sentido anormal do fluxo venoso, como consequência das veias varicosas (e das válvulas). afetado).

Afeta 50% da população, principalmente mulheres, e geralmente há histórico familiar, por isso é considerada uma doença hereditária na maioria dos casos.

O quadro clínico típico é de dores em graus variados (desde desconforto ou peso na perna até cãibras musculares), edema (inchaço do tornozelo e da perna) e alterações progressivas na pele, como ressecamento, perda de elasticidade - atrofia - até a aparecimento de úlceras, geralmente localizadas imediatamente acima do tornozelo, na parte interna da perna. Afeta 50% da população, principalmente mulheres, e geralmente há histórico familiar, por isso é considerada uma doença hereditária na maioria dos casos. Algumas circunstâncias, como permanência prolongada, obesidade e gravidez, agravam os sintomas, mas não são a causa da doença varicosa.
A classificação CEAP é utilizada para descrever os estágios clínicos da doença, o que é muito útil na prática diária. O diagnóstico baseia-se no exame físico e no estudo hemodinâmico ultrassonográfico com Doppler colorido para determinar as veias afetadas pela doença e a presença ou ausência de alteração das válvulas venosas.

O tratamento é variável dependendo do estágio clínico da doença. Pacientes assintomáticos não devem tomar nenhuma medida terapêutica. Para a maioria dos casos com sintomas da doença, recomenda-se o tratamento conservador baseado em exercícios físicos (caminhada), elevação dos membros inferiores em repouso e cuidados com a pele (hidratação). Um aspecto muito importante é o uso de meias elásticas de compressão variável. A eficácia da terapia compressiva baseia-se em “neutralizar” a tendência de dilatação das veias, evitando o aumento da pressão nas veias por “falha” da válvula, melhorando a circulação de retorno venoso, a microcirculação capilar e linfática. Também é muito importante no caso de úlceras varicosas, além de curas locais com diversos tipos de curativos (nenhum foi comprovadamente superior aos outros). Os antibióticos locais não são recomendados para tratar úlceras crônicas “contaminadas” pela flora bacteriana normal da pele, e os antibióticos sistêmicos só são indicados em casos de infecção, como celulite ao redor de uma úlcera.

Se considerarmos o tratamento farmacológico, devemos falar de "flebotônicos", medicamentos derivados de certas espécies vegetais (ruscus, cítricos, chá, uva, taninos, castanha da Índia...) que possuem princípios ativos (flavonóides, rutosídeos, dobesilato de cálcio) em a parede das veias (drogas venoativas). Geralmente são utilizados em combinação com o objetivo de aumentar a tensão da parede da veia, reduzindo a hiperpermeabilidade capilar e a inflamação. Em ensaios clínicos demonstraram a sua eficácia na redução do edema, mas não na taxa de cicatrização de úlceras.
Todas as drogas venotônicas têm em comum uma origem botânica, incorporadas ao arsenal terapêutico de forma empírica devido à sua relativa inocuidade e posterior síntese de compostos análogos com maior atividade. Não demonstraram grande eficácia em ensaios clínicos, embora geralmente produzam uma melhora notável dos sintomas, especialmente em pacientes que completam adequadamente todos os aspectos incluídos no tratamento conservador.

Carles Corominas i Roura, Angiologia e Cirurgia Vascular do Hospital Universitari Son Espases